Uma planta com o alegado projeto do “Porto Seco” a construir na zona da Sequeira, leva morador do Bairro Nossa Senhora de Fátima a pedir mais explicações na reunião do executivo da câmara da Guarda

Albino Bárbara, morador naquela zona, lamenta que todo este projeto esteja a surgir de forma oculta e que a concretizar-se, vai prejudicar os moradores daqueles bairros. O morador foi à reunião do executivo manifestar a preocupação dos residentes, referindo que este projeto a nascer naquele local, vai afetar as condições de vida dos habitantes. O morador diz que uns metros mais a sul do local referido, há um terreno para construir o Porto Seco, com outras dimensões e sem colocar em causa os eventuais prejuízos aos moradores. Albino Bárbara disse ainda aos jornalistas, que não saiu esclarecido com as respostas dadas pelo Presidente de camara.

Depois da intervenção do morador, o vereador Sérgio Costa, também se mostrou preocupado com a alegada escolha do local para construção do “Porto Seco” e do bem estar dos moradores. O independe espera que este projeto não ande a ser negociado em segredo. Sérgio Costa diz que isto tudo acontece, porque a revisão do PDM está atrasada e há uma falta de estratégia em conjugar o Porto Seco, com as variantes a construir da Sequeira e dos Galegos. Sérgio Costa diz saber da importância fulcral do Porto Seco para a Guarda, mas salienta que é preciso falar com verdade e frontalidade aos moradores.

Já o Presidente da câmara da Guarda confirmou que o local em frente à estação dos caminhos de ferro passará a ser a 1ª fase do “Porto Seco.” Chaves Monteiro diz que com o atual PDM em vigor, nos terrenos referidos, já contempla uma área de expansão do para o terminal ferroviário. O presidente da câmara da Guarda diz que se for esse o local escolhido para a construção do Porto Seco, a autarquia seguirá todos os trâmites legais e certamente também ouvirá os moradores.

O autarca acrescentou ainda que desconhece por completo o documento levado pelo cidadão à reunião de câmara, mas salienta que o PDM já permite a construção da infraestrutura no local referido.