Sérgio Costa comprometeu-se a trabalhar para «encontrar consensos» na governação da autarquia da Guarda, mas diz que essa deve ser uma responsabilidade partilhada por todas as forças políticas, deixando de parte «coligações negativas»

O presidente de câmara da Guarda lembra que é preciso aceitar a decisão do eleitorado e trabalhar em conjunto, para o futuro do concelho. O autarca lembra que quem ganha as eleições governa e que «coligações negativas em nada contribuem para os superiores interesses da Guarda». O presidente da camara da Guarda lamenta que alguns líderes políticos tenham esquecido determinados valores, o que segundo o mesmo, leva à desacreditação da população nos políticos e promovem os extremismos.

Sérgio Costa disse durante a tomada de posse que houve quem o prejudicasse enquanto assumiu o lugar de vereador durante seis anos, mas hoje diz, assumir o lugar de presidente com um grande sentido de responsabilidade. Sérgio Costa disse ainda que houve presidentes de junta de freguesia que «sofreram pressões por quem nada sabe respeitar» e que «a Guarda cansou-se do que, quem não é por mim, é contra mim». Agora o autarca diz que é tempo de voltar a trabalhar com os autarcas de freguesia como uma equipa.

Sérgio Costa acrescenta ainda, que ser político é ouvir todos, falar a verdade e promover consensos, se assim não for, diz o presidente da câmara, está profundamente engando e jamais conseguiram o sabor da vitória.

O autarca diz ainda que durante a sua governação vai recusar alimentar qualquer tipo de fait diver, e que o foco vai ser, voltar a afirmar a Guarda no contexto regional e nacional.