O presidente da Câmara da Guarda rejeita a ideia de que haja um clima de medo nos funcionários do Município

Recorde-se que esta foi uma expressão do candidato do PS, Luís Couto, aquando da apresentação oficial dos dois cabeças de lista pelo partido socialista à Câmara e à Assembleia Municipal. Luís Couto chegou mesmo a referir que já tinha recebido pedidos de ajuda por haver um clima de medo nos trabalhadores.

No final da reunião do executivo e confrontado com esta declaração, Carlos Chaves Monteiro justificou que o PS usa narrativas para se convencer que tem razão mas não consegue dar sustentabilidade ao que afirma. Carlos Chaves Monteiro diz que nos últimos tempos mais de 80 trabalhadores foram valorizados e recorda que quando o PS governava a Câmara, os funcionários das empresas municipais estiveram em risco de perder o emprego. Mas na apresentação oficial dos cabeças de lista do PS, o candidato Luís Couto também disse que Carlos Chaves Monteiro é o timoneiro de um barco à deriva. O autarca responde que ainda hoje a Câmara paga o marasmo deixado pelo PS em 2013 e acrescenta que a alternativa apresentada por Luís Couto demonstra não conhecer o território bem como os projectos mobilizadores.