O ex-presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, não aceita que a cidade tenha ficado de fora da cerimónia da inauguração do troço da Linha da Beira Baixa

Recorde-se que o Ministro das Infraestruturas viajou na terça feira de comboio, entre a Guarda e a Covilhã, mas as cerimónias decorreram na cidade da Beira Baixa. Álvaro Amaro considera que devia ter havido uma explicação sobre o projecto também na estação da Guarda e até foi mais longe ao afirmar que nunca permitiria uma situação idêntica. Álvaro Amaro não se conforma com o facto de não ter havido uma pequena cerimónia na Estação da Guarda antes da viagem de comboio para a Covilhã.  O eurodeputado acrescenta que a Guarda não pode perder a centralidade e a importância que pode vir a ter na ferrovia, enquanto porta de entrada para a Europa.

Álvaro Amaro disse aos jornalistas que esteve na Guarda para recordar a luta que teve que travar para que a linha fosse reaberta. O ex-autarca explicou que a obra não se justificava para o transporte de passageiros ou de mercadorias mas sim para fazer a concordância com a linha da Beira Alta e também pela importância da ferrovia para a região.

Álvaro Amaro considera que devia ter havido uma explicação sobre o projecto também na estação da Guarda e até foi mais longe ao afirmar que nunca permitiria uma situação idêntica. O eurodeputado disse também que marcou presença no início da viagem para recordar a luta que travou para que a linha fosse reaberta.