O ex-diretor clínico da ULS da Guarda refere, que há falta de vontade politica para requalificar o Pavilhão Rainha D. Amélia

O Médico Gil Barreiros, que cessou funções como diretor clínico da ULS da Guarda, no final do mês passado esteve na Radio F, em mais uma edição do programa Conversa em Binómio, onde fez uma espécie de balanço da administração liderada por Carlos Rodrigues.

O ex-diretor clínico começa por salientar as várias alterações que foram implementadas quando chegou à direção clinica da ULS da Guarda, bem como as obras efetuadas por este ultimo conselho de administração. Gil Barreiros lamenta não terem tido tempo para efetuarem a requalificação do pavilhão 5, para onde estava previsto a instalação do departamento da Criança e da Mulher.

Quanto ao pavilhão Rainha Dona Amélia, Gil Barreiros refere que ainda se tentou uma solução para a requalificação em parceria com a Universidade da Beira Interior, mas sem sucesso, segundo o clínico faltou ajuda por parte de vários agentes, bem como a falta de vontade politica.

Durante o programa, Gil Barreiros foi dizendo que a ULS da Guarda está agora mais pacificada, no entanto reconhece que há alguns elementos, que ainda provocam alguma fonte de instabilidade, em alguns locais.

O médico Gil Barreiros acumulou os cargos de diretor clínico, para os cuidados primários bem como os cuidados hospitalares, o ex-diretor clínico da ULS começa por referir que lhe foi pedido para acumular as duas direções clínicas, mas acrescenta o cargo para cuidados hospitalares, lhe ocupou grande parte do tempo, mas acredita que este figurino também é viável.

A terminar, Gil Barreiros refere que a ARS do Centro não se tem portado bem com a Guarda, porque em algumas decisões a administração regional tem tido dois pesos e duas medidas, em detrimento da Guarda.

Foto: Google Earth