Primeiro Ministro esteve presenta na cerimónia do lançamento da primeira pedra da construção do novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra

A morte do bombeiro Sérgio Rocha e de 5 sapadores chilenos, há 11 anos, no combate a um incêndio, foi recordada ontem à tarde pelo primeiro ministro durante a cerimónia do lançamento da primeira pedra da construção do novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Famalicão da Serra.

Durante a sessão solene, António Costa referiu que não vai esquecer tão cedo a tragédia de 2006 e acrescentou que a família de Sérgio Rocha é um exemplo de vida porque continua ligada aos bombeiros de Famalicão.

A tragédia de há 11 anos foi lembrada por todos os convidados que também deixaram uma palavra de conforto ao embaixador do Chile em Portugal, que também esteve ontem em Famalicão da Serra.

O presidente da Câmara da Guarda também não poupou elogios ao primeiro-ministro português. Álvaro Amaro lembrou que a preparação da construção do novo quartel dos bombeiros de Famalicão da Serra teve um longo percurso que contou com a sensibilidade de António Costa.

O secretário de estado da administração interna, Jorge Gomes também lembrou a elaboração do projecto das obras do novo quartel, que já estão no terreno. O governante referiu que se trata de um investimento de cerca de 600 mil euros suportados a 85 por cento por fundos comunitários e que o financiamento ainda poderá ser maior se a obra estiver concluída antes do final do ano.

A ministra da Administração Interna também falou com agrado da nova obra, uma vez que é uma mais valia para a corporação do concelho da Guarda. Constança Urbano de Sousa enumerou ainda outras medidas que visam apoiar o voluntariado.

A sessão solene do lançamento da primeira pedra da construção do novo quartel decorreu na Casa da Cultura de Famalicão da Serra. O presidente da direcção dos bombeiros, António Fontes convidou o primeiro-ministro a estar presente na inauguração mas também deixou o pedido para mais financiamento, recordando que o Governo e a Câmara da Guarda tiveram um papel fundamental em todo este processo.