A Ordem dos Médicos alerta para o «altíssimo risco» na emergência pré-hospitalar da Beira Interior, com a inoperância em alguns turnos das VMER da Guarda e Covilhã

Esta resposta altamente diferenciada no socorro pré hospitalar tem tido falhas nas escalas e problemas em vários turnos, denunciou o presidente da secção da Ordem dos médicos do Centro. Carlos Cortes diz que esta situação deve-se à falta de recursos humanos nos Hospitais da Guarda e Covilhã, colocando em causa o socorro necessário para os casos de emergência em toda a região do interior. Carlos Cortes lembra que na região das Beiras e Serra da Estrela e a norte do distrito, só estão disponíveis as VMER da Guarda e Covilhã, e com a inoperacionalidade destes meios, esta região fica dependente de Castelo Branco e Viseu, onde a distância faz com os tempos de resposta se agravam consideravelmente.«É inadmissível que a VMER da Guarda e da Covilhã fiquem frequentemente paradas. Os cuidados emergentes às populações não podem ficar inoperacionais» referiu Carlos Cortes, que acrescentou, se nada for feito o problema tende agravar-se. O presidente da Secção da Ordem dos médicos do Centro diz que este problema já foi relatado pela Ordem ao Ministério da Saúde, mas que até não momento não foram tomadas quaisquer medidas.