Sérgio Costa, vereador Social Democrata na câmara da Guarda, diz que na última reunião do executivo «fez um esclarecimento em jeito de ensinamento» sobre intervenções feitas no subsolo aquando da requalificação de arruamentos na cidade e nos aglomerados rurais

Sérgio Costa, vereador Social Democrata na câmara da Guarda, diz que na última reunião do executivo «fez um esclarecimento em jeito de ensinamento» sobre intervenções feitas no subsolo, aquando da requalificação dos arruamentos da cidade e nos aglomerados rurais da freguesia da Guarda. Segundo o vereador, agora sem pelouros, as obras feitas nas infraestruturas do subsolo nos arruamentos a requalificar, eram realizadas pelas equipas da autarquia, no sentido de rentabilizar os recursos humanos e poupar financeiramente o erário público. Sergio Costa diz que com estes procedimentos havia uma celeridade no arranque das obras e uma poupança financeira muito significativa. O vereador diz que a autarquia tem recursos humanos para fazer essas intervenções no subsolo, adjudicando apenas a empresas externas a obra de repavimentação. Sérgio Costa diz que desta maneira é possível fazer mais e poupar a tesouraria da autarquia.

O vereador recusa que agora seja ele o apontado por todos os males que ocorrem na autarquia, e recorda, que foi afastado há 7 meses atrás.

Por fim o vereador Social Democrata refere que é no local próprio de discussão pública que se devem ser levantadas todas estas questões, tal como o fez na última reunião do executivo. Sérgio Costa lamenta as declarações de Carlos Chaves Monteiro aos jornalistas, sobre o trabalho que desenvolveu enquanto tinha funções executivas na autarquia da Guarda.