O presidente da Câmara da Guarda diz que para já, não vê razões para alterar os horários normais dos estabelecimentos comerciais

A partir de hoje o país entra em estado de contingência e são muitas as alterações que foram impostas pelo Governo.

Desde logo, os horários dos estabelecimentos comerciais, que devem abrir depois das 10 horas da manhã e encerrar às 20 horas, à excepção dos supermercados e hipermercados. Os restaurantes podem receber clientes até à meia-noite, mas encerrar à uma da manhã. Também os ajuntamentos com mais de dez pessoas estão proibidos.

A proibição de venda de bebidas alcoólicas nas estações de serviço e em todos os estabelecimentos, a partir das 20 horas, irá manter-se, excepto se estiver à mesa a tomar uma refeição. Beber álcool na via pública também está proibido.

Mas no caso dos horários dos estabelecimentos comerciais podem ser as autarquias a anunciarem as alterações nas horas de abertura e encerramento, desde que tenham o parecer favorável prévio da autoridade de saúde local e das forças de segurança.

O presidente da Câmara da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, diz que, para já, não vê razões para alterar os horários normais dos estabelecimentos comerciais. No entanto, pretende ouvir os empresários numa possível adaptação de horários, que sejam do interesse dos mesmos.

O autarca adianta que os horários dos estabelecimentos comerciais podem ser alterados conforme o estado de evolução da pandemia. Carlos Chaves Monteiro admite que possam haver espaços comerciais que tenham de abrir ás 9 horas da manhã, desde que haja um parecer positivo por parte das autoridades de segurança e da saúde.