O Centro de Vacinação da Guarda está administrar em média 390 vacinas por dia contra a Covid-19, mas a capacidade máxima pode ainda ser aumentada para as 500 inoculações diárias

Já no global e na área de abrangência da ULS da Guarda a média ronda as 1500 a 2000 vacinas diárias, valores que podiam ser mais elevados se houvesse vacinas em abundância, disse à Rádio F, António Luís Serra, Diretor clínico para os cuidados de saúde primários da ULS da Guarda. O médico reconhece que há concelhos onde a taxa de vacinação é bastante elevada, a Guarda continua a merecer uma preocupação especial pois é o concelho da área desta ULS, onde a percentagem de vacinação é mais baixa.

No sentido de haver uma maior homogeneidade em toda a área da ULS da Guarda, foram dadas indicações para que alguns concelhos abrandem ritmo de vacinação. Por cá, na capital de distrito, o médico reconhece que a densidade populacional e as próprias instalações do centro de vacinação são duas condicionantes no processo de administrar vacinas. Para além destas duas variáveis, a falta de agendamentos também têm atrasado a vacinação na Guarda.

António Luís Serra é da opinião que a solução para aumentar a taxa de vacinação é aplicar uma espécie de “porta aberta” nos centros de vacinação. O médico diz que há reposta, a nível de recursos humanos, desde que haja disponibilidade de vacinas.

Em suma, o processo pode ser mais célere, desde que existam utentes para vacinar, e vacinas para administrar.

No entanto o Diretor clínico para os cuidados de saúde primários da ULS da Guarda faz um balanço positivo de toda esta logística e adianta que no final deste mês, 70% da população da região já recebeu pelo menos uma inoculação.