O distrito da Guarda não tem as anunciadas Brigadas de Intervenção Rápida (BIR) que servem de retaguarda para apoiar lares onde se registam casos com COVID-19

Esta foi uma medida anunciada com pompa e circunstancia pelo Governo em parceria com a Cruz Vermelha, no sentido de apoiar as ERPI em caso de falta de recursos humanos por causa da pandemia. A Rádio F questionou o presidente da União Distrital das IPSS sobre existência destas Brigadas, Rui Reis o presidente da UDIPSS denuncia a falta da criação destas Brigadas para lares no distrito da Guarda.

Ruis Reis diz que sem estas Brigadas as situações têm sido articuladas entre as autarquias e as estruturas locais, tal como aconteceu no lar do Manigoto no concelho de Pinhel, mas alerta para a falta de formação destes profissionais.

O presidente da UDIPSS lamenta que no distrito da Guarda não haja Brigadas de Intervenção Rápida (BIR) para os lares que possam intervir em situações de se registam casos covid19.

Ruis Reis diz que houve aqui uma falta de planeamento na implementação desta medida, acima de tudo faltou recrutamento e formação atempadamente para as várias valências sociais. O presidente da UDIPSS diz que os Lares continuam a ser uma preocupação e que durante o verão poderiam ter sido tomadas medidas para formar e constituir estas brigadas previamente.

Rui Reis diz mesmo que na 1ª vaga da COVID-19 pouco se aprendeu, mas lembra que alertou para a situação juntamente com presidente do IPG, referindo a necessidade de terem sido criados antecipadamente instrumentos que ajudassem a mitigar o impacto da COVID-19 nas Estruturas Residências para Idosos.