Fernando Madeira recorreu da decisão do Conselho de Jurisdição Distrital do PSD, que considerou a sua candidatura ilegítima à mesa da concelhia da Guarda e tece duras críticas ao órgão liderado por Denise Fragona

Fernando Madeira contesta e recorreu da decisão do conselho de Jurisdição distrital do PSD que considerou a sua candidatura ilegítima à mesa da concelhia Social Democrata da Guarda e tece duras críticas ao órgão liderado por Denise Fragona. Fernando Madeira diz que foi com surpresa que viu a decisão do Conselho de Jurisdição Distrital, até porque, diz o social-democrata, que o órgão Distrital considerou válido o ato eleitoral realizado em Junho.

Fernando Madeira já recorreu desta decisão para o Conselho de Jurisdição Nacional do PSD e considera que o documento que foi enviado pela Jurisdição Distrital da Guarda dos Social-democratas contém várias ilegalidades, acrescentando que este órgão prestou um mau serviço ao partido.

Fernando Madeira não compreende porque é que a convocatória para a eleição de junho foi aceite pelo partido, tendo depois a sua candidatura sido considerada ilegítima pelo órgão de jurisdição distrital do PSD. Fernando Madeira entende que o parecer que foi emitido em Dezembro pelo conselho de jurisdição Nacional do PSD refere-se à repetição da eleição de Abril, o militante diz que a ato eletivo de junho decorre de um novo processo eleitoral.

Fernando Madeira não tem dúvidas que é o atual e legitimo presidente da mesa da seção do PSD da Guarda. (ouvir aqui)