Oposição na Câmara da Guarda vai utilizar um tom de voz de discurso mais “inflamado”, sempre que se justifique

O vereador do PS na Câmara da Guarda, Pedro Fonseca diz que o presidente do Município, Carlos Chaves Monteiro, vai ter que se habituar a um tom de voz de discurso mais “inflamado” sempre que se justifique.

Na reunião do executivo que decorreu em Gonçalo, o discurso dos vereadores socialistas surgiu num tom mais alto do que é normal, mas Pedro Fonseca já avisou que pode ser assim até ao final do mandato. O vereador do PS lembrou que o ex-presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro também utilizava um tom de voz que ultrapassava os decibéis. Pedro Fonseca reforça que sempre que se justifique o tom de voz no debate político vai ser igual.

O socialista não entende, uma vez que Álvaro Amaro também utilizava um tom de voz mais alto nas reuniões de câmara e nas assembleias municipais. (ouvir aqui)