O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses promoveu uma manifestação em frente à urgência do Sousa Martins para pedir o fim da precariedade na ULS da Guarda

O sindicalista Honorato Robalo diz que a efetivação de enfermeiros nesta unidade hospitalar tem siso muito baixa, as necessidades permanentes são mais do que muitas. Este é um assunto recorrente, mas Honorato Robalo lembra que a precariedade atinge um número elevado de enfermeiros na ULS da Guarda. O sindicalista diz que os números avançados pelo CA da ULS da Guarda na contratação destes profissionais de saúde este ano, não se traduzem em efetivação. O sindicalista diz que para cumprir os rácios de enfermeiros na ULS da Guarda, as necessidades permanentes apontam para a contratação efetiva de mais 80 a 130 enfermeiros.

Também o dirigente do SEP da Direção Regional da Beira Alta, Alfredo Lopes marcou presença e para além da precariedade, salientou outros problemas que continuam a afetar a classe.

Já Adelino Nunes da CGTP diz que esta luta dos enfermeiros é justa, e salientou a necessidade de estabilidade laboral. Também José Pedro Branquinho da União de Sindicatos da Guarda marcou presença e relembrou que precariedade na área da saúde, também afeta outras classes profissionais.