Pelo menos é essa a informação que o Presidente da Câmara da Guarda tem nesta altura, o assunto voltou a ser abordado na última reunião do executivo da Câmara da Guarda, pelo vereador socialista Eduardo Brito antes do período da ordem do dia. O autarca da Guarda, Carlos Chaves Monteiro referiu que, para já, não há qualquer alteração na posição do principal cliente da DURA, em deslocalizar as encomendas da fábrica da Guarda para a Índia, a partir do outono. O presidente da Câmara da Guarda dá quase como certo o despimento de 60% dos trabalhadores em outubro. Agora o presidente da Câmara da Guarda diz que há que encarar o futuro e encontrar outras soluções para manter a empresa aberta a partir de outubro. Para mitigar essa perda do grande cliente da DURA da Guarda, o Presidente da Câmara admite apoios financeiros de acordo com as regras europeias, com o objetivo de relançar novos projetos para a empresa.

Já o vereador do PS, que levantou a questão na reunião de Câmara admite que o assunto é delicado, mas diz que a Câmara da Guarda podia ter precavido esta situação, já há algum tempo. Eduardo Brito entende que a Câmara da Guarda deveria ter uma estrutura profissionalizada, na captação de novos investidores para o tecido empresarial do concelho. (ouvir aqui)

Foto: DR

 

 

O website da Rádio F utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close