Álvaro Amaro quebra o silêncio em Bruxelas sobre o processo “Rota Final” em que é arguido

Álvaro Amaro já tomou posse como eurodeputado. No final, em declarações aos jornalistas, o ex-autarca da Guarda diz estar de consciência tranquila em relação ao processo Rota Final, do qual é arguido e reafirmou que jamais se refugiará atrás de qualquer tipo de imunidade. Álvaro Amaro diz que estará sempre disponível para colaborar com a justiça.

No Parlamento Europeu, Álvaro Amaro acrescentou que a função que agora desempenha é compatível com o facto de ser arguido num processo, até porque diz estar de consciência tranquila e disponível para colaborar com a justiça portuguesa.

No âmbito deste processo, Amaro foi ouvido no Tribunal de Viseu e saiu com termo de identidade e residência e foi ainda obrigado ao pagamento de uma caução de 40 mil euros. Álvaro Amaro, que foi presidente da Câmara da Guarda entre 2013 e 2019, está também proibido de contactar com os outros arguidos do caso. (ouvir aqui)