A Câmara da Guarda pretende adquirir à Santa Casa da Misericórdia da Guarda oito imóveis urbanos e um rústico para habitação social

 A câmara da Guarda está interessada em adquirir oito imóveis urbanos e um rústico pertencentes à Santa Casa da Misericórdia da Guarda. O assunto fez parte da ordem de trabalhos última reunião do executivo e durante a sua discussão, ficou a saber-se que o destino a dar a estes imóveis e caso o negócio se venha concretizar, são para habitação social. A proposta deverá agora ser efetuada já que esta alienação por parte da Santa Casa da Misericórdia é feita por hasta pública. Aos jornalistas e após a reunião do executivo o presidente da autarquia, Sérgio Costa, não quis adiantar muitos pormenores sobre o assunto, justificando que quer proteger o erário público e evitar qualquer tipo de especulação imobiliária.

Já o vereador do PS, Luís Couto que durante a sessão da reunião de câmara colocou algumas questões sobre este assunto, disse aos jornalistas, que votou favoravelmente atendendo a que o objetivo é promover a habitação social a custos controlados, mas ressalvou, que este negócio não deve servir para recapitalizar a Santa Casa da Misericórdia da Guarda. Luís Couto acrescentou ainda que a autarquia deve no futuro tratar de forma igual outras instituições que pretendam também alienar património. O vereador do PS elencou ainda a localização destes imóveis e do prédio rústico que a instituição pretende vender em hasta pública.