Tiago Gonçalves não aceita ser acusado de falta de seriedade política, no processo eleitoral para a mesa da Concelhia do PSD da Guarda

O presidente da concelhia da Guarda do PSD, Tiago Gonçalves já reagiu às declarações de António Júlio Aguiar na Rádio F. O candidato à mesa da Assembleia não gostou de ter ficado de fora da lista de consenso feita pelas duas listas que foram a votos no dia 14 de Abril e disse ter ficado defraudado com o desenrolar do processo, acrescentando ainda que houve falta de ética e seriedade política por parte de Tiago Gonçalves e Júlio Santos neste processo eleitoral. O líder da concelhia já reagiu. Tiago Gonçalves diz que depois de várias reuniões entre os dois candidatos, ficou decidido que a lista de consenso seria liderada por Fernando Madeira.

Tiago Gonçalves diz que só após a decisão final é que constatou que António Júlio Aguiar não estava na lista, mas que posteriormente tiveram uma conversa. Confrontado com as críticas apontadas por António Júlio Aguiar, o líder da concelhia diz que não aceita porque são injustas. Contudo, Tiago Gonçalves considera que António Júlio Aguiar tem todo o direito de se candidatar mas ressalva que os militantes é que vão escolher se querem ou não uma lista de consenso.

Tiago Gonçalves disse ainda que caso António Júlio Aguiar vença as eleições para a mesa da Assembleia, espera ter as melhores relações com o agora candidato.

Entretanto e já após a entrevista que deu à Rádio F, António Júlio Aguiar publicou nas redes sociais um comunicado onde defende, com base num parecer do PSD nacional que “o acto eleitoral marcado para este Sábado é a continuação do processo eleitoral anterior e não um novo processo”, acrescentando que “não há lugar à apresentação de listas, por se tratar de um desempate entre as duas listas mais votadas”. Tiago Gonçalves defende que as indicações que foram dadas pelo partido após o acto eleitoral do dia 14 de Abril são diferentes.

Foto: PSD Guarda