Presidente do IPG, diz que os vereadores do PS na Câmara da Guarda, têm falta de bom senso e parecem querer politizar o ato eleitoral do Politécnico

O Presidente do IPG repudia as declarações dos vereadores do PS na câmara da Guarda sobre o Politécnico e acrescenta que revelam falta de bom senso e uma tentativa de condicionar o ato eleitoral interno que se avizinha.

Na última reunião do executivo da câmara da Guarda, Eduardo Brito referiu que o IPG é pouco atrativo e que o Município deveria apoiar mais a instituição de ensino superior da cidade. Constantino Rei diz que os vereadores querem misturar a política com o ensino. O presidente o IPG acrescenta que já no passado o PS tentou intervir no processo eleitoral do Politécnico.

O presidente do IPG reforça que o Partido Socialista parece não ter apendido com os erros do passado, Constantino Rei contraria as declarações de Eduardo Brito na comparação com Bragança, referindo que a taxa de ocupação nos últimos anos na 1ª fase, tem sido superior no Politécnico da Guarda.

Quanto à questão do apoio financeiro por parte da autarquia, o presidente do IPG diz que nos últimos 10 anos, apenas o atual executivo contribuiu para a instituição de ensino superior da cidade, Constantino Rei desfaia também o PS em clarificar a proposta dos 400 mil euros para o IPG, que fazia parte do programa eleitoral dos socialistas.

Constantino Rei termina lamentando haja uma tentativa de politização no IPG por parte do PS no Politécnico da Guarda.