O Politécnico da Guarda preencheu 331 vagas das 699 disponibilizadas na primeira fase de acesso ao ensino superior

A taxa de ocupação ronda os 47,3%, com 331 novos alunos, menos 53 comparativamente com a primeira fase de acesso de 2017. No jornal da 8h30m da Rádio F, o Presidente do IPG, Constantino Rei, disse em direto, que esta redução deve-se ao menor número de candidatos este ano.

Cursos como os de  Educação Básica, Engenharia Civil e Engenharia Topográfica voltaram a ficar desertos, não tendo registado qualquer candidato para as  vagas abertas. Já os 74 lugares abertos em Enfermagem, na Escola Superior de Saúde, foram totalmente preenchidos. Os outros com maior procura estão todos na Escola Superior de Tecnologia e Gestão, são eles Gestão de Recursos Humanos, Marketing e Gestão. Na Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto o melhor resultado foi conseguido pelo curso de Comunicação e Relações Públicas, que ocupou 35 das 50 vagas disponibilizadas. Para Constantino Rei, a única surpresa foi o Curso de Engenharia Informática que voltou a conhecer uma oscilação. Agora as expetativas são mais elevadas para a 2ª fase, bem como os resultados dos concursos especiais.

O Politécnico da Guarda preencheu 331 vagas das 699 vagas disponibilizadas na primeira fase de acesso ao ensino superior. Os cursos do IPG com as médias de acesso mais baixas foram Desporto e Gestão, com 9,5 valores. A média mais alta foi registada na licenciatura de Design de Equipamento, da ESTG, com 12,9 valores.