Oposição na Câmara da Guarda diz que o IPG é pouco atrativo e que o Município deveria apoiar mais a instituição de Ensino Superior da Cidade

O vereador do PS na Câmara da Guarda, Eduardo Brito defende que o Município deveria apoiar financeiramente o Politécnico da Guarda mas também considera que o Instituto não está a ser atrativo para os alunos.

Esta semana ficou a saber-se que houve 86 candidaturas da 1ª fase que acabaram por ficar vazias porque os respetivos estudantes não efetuaram a matrícula. Por outro lado há a entrada de 150 novos alunos estrangeiros de vários países, incluindo europeus. Os vereadores socialistas voltaram a levar o assunto à reunião do executivo porque entendem que deve haver mais apoio financeiro por parte da Câmara, como revela Eduardo Brito que diz ainda que algo também está mal no Politécnico porque não está a ser atrativo. Eduardo Brito diz que o apoio financeiro que a Câmara dá ao Politécnico é muito pouco se comparado com Bragança.

Na resposta, Álvaro Amaro diz que o objetivo é investir mas para captar mais alunos não só para o Politécnico como também para a Escola Profissional e ensino secundário. O presidente da Câmara da Guarda também pretende discutir o assunto num debate mas refere que o vereador Eduardo Brito tem de estar mais bem informado, porque o número de alunos aumentou nos últimos 3 anos.

A entrada de alunos no Politécnico da Guarda voltou a ser tema de conversa na reunião do executivo. Os vereadores do PS entendem que há uma clara falta de atracção por parte da escola para atrair novos alunos e que a Câmara investe pouco para inverter a situação.

Álvaro Amaro defende que nos últimos 3 anos houve um aumento do número de alunos.