Municipio da Guarda dá os primeiros passos na candidatura a Capital Europeia da Cultura

Cristina Farinha, membro do Júri de Seleção e Monitorização das Capitais Europeias da Cultura, para a Comissão Europeia esteve na Guarda para apresentar e explicar os seis critérios da Comissão Europeia e que são preponderantes na seleção das Capitais Europeias da Cultura. Apesar de ainda não haver muitas candidaturas oficiais a capital europeia da cultura, em 2027, Cristina Farinha explicou que após serem conhecidas, haverá uma primeira seleção antes da decisão final.

Numa curta conversa com os jornalistas, a responsável referiu que é necessário desenvolver um projeto de longo curso e que a Guarda está a começar na altura certa. A decisão final assenta em 6 critérios. As candidaturas das várias cidades terão de ter em linha de conta a dimensão europeia, ao invés de identidades próprias, como tradições ou património existente. Tem de haver interação entre várias cidades. O facto de a Guarda ser uma cidade transfronteiriça ou de Portugal ser uma porta aberta para a Europa pode ajudar a candidatura. Cristina Farinha deixou ainda conselhos à candidatura da Guarda a capital europeia da Cultura. A responsável referiu que a candidatura tem de demonstrar uma cidade virada para o futuro.

A Guarda pretende ser capital europeia da cultura em 2027 mas as candidaturas terão de ser apresentadas até 2021.