Movimento cívico “Salvar Mais Vidas” quer aumentar a taxa de sobrevivência em paragens cardiorrespiratórias

O movimento cívico “Salvar Mais Vidas” pretende sensibilizar a população em geral para prestar primeiros socorros em caso de paragem cardiorrespiratória. Os números em Portugal de sobrevivência desta doença são muito baixos, muito longe da média europeia que é de 30%, o médico Luís Guimarães que pertence a este movimento cívico, referiu que em Portugal um cidadão que sofra uma paragem cardiorrespiratória na rua, tem menos de 3% de hipótese sobreviver. Luís Guimarães aponta como falta de formação em Suporte Básico de Vida, o baixo índice de sobrevivência no país, a uma paragem cardiorrespiratória. O trabalho de formação já começa a ser feito, o médico Luís Guimarães refere os três passos essências ao Suporte Básico de Vida, conhecer e perceber, comunicar e comprimir.

Este movimento cívico propõe formação obrigatória já nas escolas secundárias na área do Suporte Básico de Vida e o aumento de desfibrilhadores por número de habitantes. Luís Guimarães desmistifica a utilização de desfibrilhadores, atualmente este ato já não é da exclusiva utilização de pessoal médico.

Este Movimento cívico foi criado a nível nacional, na Guarda já são vários os apoios a esta iniciativa, Luís Guimarães acrescentou que o atual conselho de administração da ULS da Guarda associou-se a este projeto.