O executivo da Câmara da Guarda reagiu à taxa de ocupação de vagas no IPG

A taxa de ocupação das vagas, na 1ª fase, no Politécnico da Guarda mereceu reações na reunião do executivo desta semana. Das 699 vagas disponibilizadas foram preenchidas 331, o que corresponde a uma taxa de ocupação de cerca de 47 por cento, um pouco mais baixo do que em 2017.

Para este ano houve também uma redução de candidatos ao ensino superior e relembro que o Governo diminuiu as vagas em Lisboa e no Porto, mas só em Vila Real é que houve um ligeiro acréscimo de entradas.

O presidente da Câmara da Guarda entende que esta foi mais uma medida avulso mas quer esperar pelos resultados da 2ª e da 3ª fase. Álvaro Amaro falou também da ocupação total das vagas disponibilizadas no curso técnico superior profissional de indústria automóvel.

Já o vereador do PS, Pedro Fonseca considera que a medida do Governo, que retirou vagas a Lisboa e no Porto em detrimento do interior do país foi positiva, apesar dos resultados não serem os esperados. O socialista diz que só depois das entradas na 2ª e na 3ª fase é que se pode fazer um balanço.