A caça está proibida até Maio de 2018 em zonas fustigadas pelos incêndios

A Guarda é um dos distritos abrangidos por esta medida. O objetivo desta proibição é proteger espécies cinegéticas como o coelho, a lebre, a perdiz ou a codorniz. Em declarações à Rádio F o presidente da Federação de Caça e Pesca da Beira Interior, André Ferreira, explicou como vão funcionar estas medidas, referiu ainda que está satisfeito com esta proibição, no entanto admite que pode trazer custos aos caçadores

Apesar de estar de acordo com a grande parte das medidas, a Federação de Caça e Pesca da Beira Interior mostra-se bastante desagradada com a redução para 2 dias de caça a espécies migradoras para os distritos a sul do Douro e a norte do Tejo.