A base do programa eleitoral do PS é tornar a Guarda uma “cidade inteligente”

A apresentação das propostas dos Socialistas ocorreu no auditório do IPDJ na Guarda, o coordenador do programa eleitoral, começou por dizer que a captação de investimento para a Guarda é fundamental para a criação de emprego. António Gil referiu que um dos conceitos da “cidade inteligente”, passa por captar novos talentos para a Guarda, através da criação de um centro empresarial com uma incubadora. Uma das novidades que surgiu durante a apresentação foi a criação de uma moeda local, denominada “Sancho”. Segundo António Gil esta moeda, que funcionará apenas no concelho da Guarda, e pode fazer circular 40 milhões de euros na economia local. Outra das novidades é a criação de uma aplicação para os smartphones e outros dispositivos, o objetivo da aplicação é que haja uma democracia participativa. Segundo António Gil, caso o PS ganhe as eleições, o Município vai disponibilizar condições a varias empresas tecnológicas, para desenvolverem este software na Guarda, que poderá ser pioneiro a nível mundial. Do programa constam ainda várias propostas de vários setores, como da agricultura, educação, ambiente, emprego e infraestruturas. A recuperação dos pavilhões no Hospital da Guarda, também faz parte do programa, o conceito de “Ar Puro da Guarda” é outro dos objetivos dos socialistas.

Coube ao candidato do PS a intervenção politica, para além das medidas já anunciadas e conhecidas que fazem parte do programa, o socialista não poupou críticas à atual maioria PSD/CDS-PP. Eduardo Brito referiu que a receita destes últimos 4 anos, já está gasta e ultrapassada e que pouco contribuiu para o desenvolvimento estrutural da Guarda. Eduardo Brito reclama para a candidatura do PS, o debate em torno do emprego, o candidato Socialista refere que estratégia das festas e eventos, pode levar à ruína da Guarda.

O candidato do PS falou ainda do estilo de fazer política do atual presidente da câmara da Guarda, Eduardo Brito garante que isso vai mudar a partir do dia 1 de outubro. O socialista diz que não faz da política carreira, Eduardo Brito não esconde que está perante o mais alto e desafiante momento, enquanto político.