As 13 vagas atribuídas à ULS Guarda não suprime a carência de médicos nesta unidade, quem o diz é o Presidente do Conselho Sub-Regional da Guarda da Ordem dos Médicos

Das 1234 vagas abertas pelo governo para a contratação de médicos especialistas, 13 foram atribuídas à ULS da Guarda, para o Conselho Sub-Regional da Guarda da Ordem dos Médicos, o número anunciado para a Unidade Local de Saúde da Guarda é escasso. O presidente deste órgão na Guarda, da Ordem dos Médicos, este concurso agora publicado em diário da república, peca por tardio. Segundo José Manuel Rodrigues, o número de vagas abertas, não vai chegar para suprir a carência de médicos na ULS da Guarda

O médico diz que o número de vagas deveria abranger mais especialidades e em maior quantidade. José Manuel Rodrigues disse à Rádio F, que os serviços mais carenciados no hospital da Guarda são os de Cardiologia e Ortopedia. O presidente do Conselho Sub-Regional da Guarda da Ordem dos Médicos, reconhece que o número de clínicos no SNS não vai aumentar com este concurso, mas salienta que é necessário recolocar médicos em unidades mais carenciadas, como é a da ULS da Guarda. Ainda assim, apesar das 13 vagas anunciadas para a ULS da Guarda, José Manuel Rodrigues não esconde algum ceticismo, mas espera que todas elas sejam preenchidas.

A Rádio F também tentou ouvir o Conselho de Administração da ULS da Guarda sobre este assunto, mas ninguém se mostrou disponível para prestar declarações.